Scroll To Top
Scroll To Top

Toggle Menu

Este site usa cookies com o objectivo de lhe garantir uma melhor experiência de navegação. Não guardamos informação pessoal. Show More...

Alguns destes cookies são necessários para que este site funcione. Outros são guardados para o reconhecer quando regressa ao site e para ajudar a nossa equipa a perceber que secções acha mais úteis e interessantes.

Se concorda com o uso de cookies do site Adega Casa da Torre, por favor escolha "Concordo"

Idade Legal / Legal Age

Confirmo que tenho idade legal para beber no meu país de residência.

I confirm that I have legal age for drinking in my country of residence.

Clicar aqui para | Click here to

H

História

Manuel de Sousa Lopes, um industrial de botões do Norte de Portugal desde os anos 20 do século passado, ganhou o gosto pela agricultura e pelos vinhos. Proprietário de duas quintas no Concelho de Vila Nova de Famalicão, a Quinta do Cruzeiro com oito hectares de vinha com as castas Loureiro, Arinto, Trajadura e Chardonnay e a Quinta da Senra que conta com sete hectares de vinha com as castas Loureiro, Arinto, Chardonnay e Vinhão, conseguiu passar esta paixão de geração em geração, apesar da sua verdadeira profissão nada ter a ver com a produção vitivinícola.

Assim sendo, em 1977, o seu filho Manuel Artur de Sousa Lopes adquire também em Famalicão, mais propriamente no Louro, a Casa da Torre.

Nesta propriedade com cinco hectares de vinha com as castas Loureiro, Alvarinho e Sauvignon Blanc é reconstruída a adega já existente sendo "baptizada" com o nome de "Adega Casa da Torre".

É aqui que são vinificadas as uvas destas três quintas pertencentes à família dando origem ao Vinho Verde Quinta do Cruzeiro – Loureiro, Arinto, Trajadura e ao Vinho Regional Minho Sousa Lopes – Loureiro, Chardonnay.

A imagem dos rótulos é a do Pinheiro Manso - Pinus Pinea. Esta árvore tem um significado muito especial para a família pois foi plantada em 31 de Março de 1932 pelo Avô para comemorar o nascimento da sua primeira filha.

Nos dias de hoje é Gonçalo Sousa Lopes, neto de Manuel Sousa Lopes e filho de Manuel Artur Sousa Lopes, quem gere as propriedades familiares.

 

Manuel de Sousa Lopes, um industrial de botões do Norte de Portugal desde os anos 20 do século passado, ganhou o gosto pela agricultura e pelos vinhos.